Introdução

Obtenha uma visão global dos principais problemas em uma cirurgia de estoma nesta seção. Nela há uma referência rápida sobre a anatomia e sistemas de órgãos envolvidos, as complicações mais comuns que seus pacientes podem enfrentar após a cirurgia e dicas e ferramentas para ajuda. 

 


Anatomia e fisiologia

O sistema digestório O sistema digestório O sistema digestório é um dos maiores sistemas de órgãos do corpo. O trato digestório é responsável pela digestão e processamento de alimentos. Mais sobre o sistema digestório
Fechar

Anatomia e fisiologia do sistema digestório

Sistema digestório

 
O trato digestório se estende por cerca de nove metros da boca até o ânus e está dividido em seções diferentes. Cada seção processa alimentos de uma maneira específica para prepará-los para a próxima seção do trato digestório, até que os resíduos finalmente deixem o trato intestinal como fezes.

Funções do sistema digestório:

  • Quebra mecânica e química dos alimentos em nutrientes básicos
  • Absorção de nutrientes na corrente sanguínea
  • Processamento e eliminação de resíduos

Um certo número de órgãos trabalham em conjunto com o trato digestório, produzindo fluidos e enzimas para auxiliar a digestão:

  • Glândulas salivares na boca
  • Fluidos ácidos no estômago
  • Fígado e vesícula biliar
  • Pâncreas

 

O trato gastrointestinal inclui:

  • Boca
  • Esôfago
  • Estômago
  • Intestino delgado - jejuno & íleo
  • Intestino grosso - cólon
  • Reto
  • Ânus

 

A parede intestinal tem diversas camadas

 

O intestino delgado tem aproximadamente 5 a 7 m de comprimento em adultos. Ele se divide em três partes principais:

  • Duodeno
  • Jejuno
  • Íleo

O jejuno e o íleo ligam-se a parede abdominal através do mesentério. O mesentério contém artérias, veias e vasos linfáticos que garantem o transporte de oxigênio e nutrientes para dentro e para fora do intestino delgado.

 

O intestino grosso tem aproximadamente 1 a 2 m de comprimento em adultos. Ele se divide em seis partes:

  • Cólon ascendente
  • Cólon transverso
  • Cólon descendente
  • Cólon sigmoide, a estrutura em forma de S
  • Reto: parte final do trato digestório. As fezes se acumulam na ampola retal. A ampola cheia inicia o desejo de esvaziar o intestino
  • Ânus, a abertura terminal do sistema digestório
Fechar
O sistema urinário O sistema urinário O sistema urinário é outro grande sistema de órgãos do corpo. O trato urinário está envolvido no equilíbrio de fluidos e eletrólitos, bem como na excreção de urina. Mais informações sobre o sistema urinário
Fechar

O sistema urinário

O sistema urinário

A função geral do sistema urinário é produzir e drenar a urina, removendo resíduos e regulando o equilíbrio de fluidos do sangue. O sistema urinário localiza-se inteiramente atrás do aparelho digestório.

 

O sistema urinário inclui:

  • Dois rins
  • Dois ureteres
  • Bexiga
  • Uretra

Os rins são duas estruturas em formato de feijão que filtram o sangue continuamente, removendo resíduos e excesso de água e promovendo o equilíbrio de fluidos e eletrólitos. Esse processo de filtragem resulta na produção de urina.

 

Os ureteres são ductos que transportam a urina dos rins para a bexiga.

 

A bexiga tem dupla função. Ela é tanto um reservatório que armazena urina como uma bomba que expele a urina do corpo. O músculo da parede da bexiga empurra a urina para fora.

 

A uretra é um canal que liga a bexiga ao exterior do corpo.

Fechar

Antes da operação de estoma

Marcação do estoma Como marcar um estoma antes da operação Um estoma bem localizado pode fazer uma grande diferença para a qualidade de vida dos pacientes. Um bom local para o estoma deve ser de fácil visualização para o paciente e permitir uma colocação de bolsa segura e liberdade de movimento - isso é essencial para evitar complicações. Como marcar um local de estoma
Fechar

Como marcar um estoma antes da operação

Marcação do estomaA marcação pré-operatória para seleção do local ideal para o estoma é importante para a qualidade de vida do paciente. Um local favorável pode ajudar a reduzir potenciais problemas, como vazamentos, problemas de ajuste, irritação da pele, dor e distúrbios psicológicos/emocionais.

Ao marcar o local do estoma, é importante considerar a dinâmica do corpo, pois o mesmo muda de acordo com fatores como diferentes posições e formação de cicatriz. Vincos e dobras perto do estoma deve ser evitados. Além disso, o estilo de vida e o nível de atividade do paciente influenciarão na definição de onde deve ficar o estoma.

Antes de marcar o local, considere estes quatro fatores:

  1. Condição física:
    Constituição, peso atual e alterações de peso recentes, destreza manual e acuidade visual
  2. Atividades sociais:
    Profissão, postura no trabalho, prática de esportes, hobbies, preferências de roupas, aspectos culturais e religiosos
  3. Áreas a evitar:
    Proeminências ósseas, dobras cutâneas, cicatrizes de operações anteriores, umbigo, linha da cintura e pele de áreas que foram irradiadas e estão altamente sensíveis (atróficas)
  4. Visibilidade:
    O local deve estar em uma área que o paciente possa ver e alcançar. Do contrário, o paciente não poderá realizar o autocuidado do estoma e precisará da ajuda de outras pessoas para trocar o dispositivo.

Ter um estoma modifica o funcionamento e a aparência do corpo. Mas, se os profissionais de saúde - como enfermeiros de cuidados de estoma e cirurgião - trabalharem em conjunto para fornecer aos usuários finais os cuidados adequados, as chances de um bom resultado para o paciente aumentam consideravelmente.


Fechar
Diferentes tipos de estoma Diferentes tipos de estoma Existem três tipos de estoma, cada qual criado para um fim diferente. Continue lendo para descobrir onde eles se localizam normalmente e para que servem. Os três tipos diferentes de estoma
Fechar

Três tipos diferentes de estoma

Os três tipos de estoma são:

- Colostomia
- Ileostomia
- Urostomia

 

Formação de um estomaColostomia

Em uma operação de colostomia, parte do cólon é trazida para a superfície do abdome para formar o estoma. A colostomia em geral é criada no lado esquerdo do abdome. As fezes nessa parte do intestino são sólidas e, como um estoma não tem músculos para controlar a defecação, elas terão de ser coletadas por meio de uma bolsa para estoma.

 

Existem dois tipos diferentes de cirurgia de colostomia: Colostomia terminal e colostomia em alça.

 

Colostomia terminal
Caso partes do intestino grosso (cólon) ou reto tiverem sido removidas, a porção remanescente do intestino grosso é trazida para a superfície do abdome para formar um estoma. Uma colostomia terminal pode ser temporária ou permanente. A solução temporária é relevante nos casos em que a parte doente do intestino foi retirada e a parte remanescente precisa repousar antes de as extremidades serem religadas. A solução permanente é escolhida em situações em que é muito arriscado ou não é possível religar as duas partes do intestino.

 

Colostomia em alça
Em uma colostomia em alça, o intestino é levantado até acima do nível da pele e mantido no lugar com um suporte para estoma. É feito um corte na alça intestinal exposta e as extremidades são enroladas para baixo e costuradas sobre a pele. Assim, um estoma em alça na verdade consiste em dois estomas (estoma de barreira dupla) que são unidos. A colostomia em alça geralmente é uma medida temporária em situações agudas. Ela também pode ser realizada para proteger uma ligação cirúrgica do intestino.

 

Ileostomia

Numa operação de ileostomia, uma parte do intestino delgado chamada íleo é trazida para a superfície do abdome para formar o estoma. Uma ileostomia normalmente é feita nos casos em que a parte final do intestino delgado está doente e geralmente é feita no lado direito de seu abdome.

 

As fezes nessa parte do intestino geralmente são líquidas e, como um estoma não tem músculos para controlar a defecação, elas terão de ser coletadas por meio de uma bolsa para estoma.

 

Existem dois tipos diferentes de cirurgia de ileostomia:

Ileostomia terminal

Ileostomia terminal

Uma ileostomia terminal é feita quando parte do intestino grosso (cólon) é removida (ou simplesmente precisa descansar) e a extremidade do intestino delgado é trazida para a superfície do abdome para formar um estoma. Uma ileostomia terminal pode ser temporária ou permanente.

A solução temporária é relevante nos casos em que a parte doente do intestino foi retirada e a parte remanescente precisa repousar antes de as extremidades serem religadas. A solução permanente é escolhida em situações em que é muito arriscado ou não é possível religar as duas partes do intestino.

Ileostomia em alça

Ileostomia em alça

Em uma ileostomia em alça, o intestino é levantado até acima do nível da pele e mantido no lugar com um suporte para estoma. É feito um corte na alça intestinal exposta e as extremidades são enroladas para baixo e costuradas sobre a pele. Assim, uma ileostomia em alça, na verdade, consiste em dois estomas que são unidos.

A ileostomia em alça geralmente é temporária e realizada para proteger uma ligação cirúrgica do intestino. Caso temporária, ela será fechada ou revertida em uma operação posterior.

 

UrostomiaUrostomia

Caso a bexiga ou sistema urinário forem lesionados ou ficarem doentes e seu paciente ficar incapaz de urinar normalmente, existe a necessidade de um desvio urinário. Tal desvio chama-se urostomia, conduto ileal ou bexiga de Bricker.

Uma parte isolada do intestino é trazida para a superfície do lado direito do abdome e a outra extremidade é costurada. Os ureteres são separados da bexiga e religados com a seção isolada do intestino. Como essa parte do intestino é muito pequena para funcionar como um reservatório e como não existem músculos ou uma válvula para controlar a micção, o paciente necessitará usar uma bolsa de urostomia para coletar urina.

Fechar

Complicações com um estoma

Distúrbios da pele periestomal Distúrbios da pele periestomal são as complicações mais comuns para as pessoas com estoma, representando um terço das consultas aos enfermeiros de cuidados de estoma. A causa mais frequente é a irritação química devido a vazamentos. Mais informações sobre a saúde da pele periestomal
Fechar

Distúrbios da pele periestomal

O monitoramento da pele periestomal, já durante a fase pós-operatória, é essencial para garantir que a pele permaneça saudável, de modo que, se a pele for afetada por alguma doença, o tratamento adequado e consistente possa ser iniciado imediatamente.

 

A Ferramenta de Pele em Ostomia é desenvolvida em conjunto com enfermeiros de estomaterapia no Conselho Consultivo Global para garantir uma avaliação precisa da pele periestomal.

 

Ela inclui duas partes, que são a pontuação DET e o guia AIM:

  • A pontuação DET (Descoloração, Erosão e crescimento excessivo de Tecido) - fornece uma maneira padronizada e validada para obter uma pontuação da pele periestomal através de observações objetivas.
  • O guia AIM (Avaliação, Intervenção e Monitoramento)  - permite a categorização de distúrbios de pele periestomal de acordo com a sua causa e oferece orientação sobre os cuidados. O guia é baseado em uma revisão completa da literatura.

 

A ferramenta foi projetada para ajudá-lo a:

  • Avaliar a pele periestomal no momento da avaliação com base na pontuação DET validada
  • Identificar o dispositivo e rotina de cuidados da pele periestomal mais adequados
  • Fornecer a você e seus colegas uma linguagem comum para descrever as condições da pele periestomal 

 

Se você quiser saber mais sobre a pontuação DET e o guia AIM,entre em contato com o serviço de atendimento ao consumidor da Coloplast

Fechar
Complicações precoces após a cirurgia de estoma Como acontece com qualquer operação, podem ocorrer complicações logo após a cirurgia de estoma. Complicações precoces comuns.
Fechar

Complicações precoces após a cirurgia de estoma

SangramentoSangramento

  • Primeira complicação

  • Geralmente para espontaneamente

Use materiais macios umedecidos em água fria para parar o sangramento. Em caso de sangramento contínuo, pode ser necessário ligar/prender o vaso apresentando sangramento.

 

EdemaEdema

  • Pode ocorrer após a cirurgia

  • Geralmente desaparece após uma ou duas semanas
  • Para manejar o dispositivo, use um anel ou pasta moldáveis.

Faça uma incisão/corte no adesivo para obter flexibilidade e evitar cortes na mucosa.

NecroseIsquemia/necrose

  • Fornecimento de sangue deficiente ou interrompido devido a complicações cirúrgicas
  • Deve ser examinado cuidadosamente
  • Caso houver presença de tecido vital, o tecido necrótico será removido. Caso contrário, será necessária nova cirurgia.

SeparaçãoSeparação

  • Características da separação:
    • Parcial ou completa
    • Superficial ou profunda
  • Duas opções de tratamento:
    • Abrir a drenagem ajustando o dispositivo à borda externa da separação
    • Cicatrização de ferida úmida da separação sob o adesivo.

FístulaFístulas

  • A fístula é um canal que se desenvolve espontaneamente entre duas estruturas normalmente não ligadas
  • Fístulas espontâneas são decorrentes de doenças internas intrínsecas ou traumas externos. Síndromes de intestino irritável, como a doença de Crohn, são uma causa comum
  • O tratamento pode ser conservador ou cirúrgico

 

Tratamento conservador:

  • Assegurar equilíbrio de fluidos e eletrólitos
  • Controlar o sepse com antibióticos
  • Nutrição parental total para diminuir a saída de material pela fístula
  • Drenar a fístula

 

 

Fechar
Complicações posteriores Também podem ocorrer complicações em longo prazo após a cirurgia do estoma. Complicações tardias comuns
Fechar

Complicações tardias após a cirurgia de estoma

Retração de estomaRetração de estoma

  • Um estoma com retração fica abaixo do nível da pele. Isso geralmente ocorre quando é usada uma seção do intestino curta demais

Manejo:

  • Adesivo convexo, anel ou pasta moldáveis
  • Se o for o caso de excesso de peso/obesidade, a perda de peso deve ser incentivada
  • Irrigação caso for uma colostomia
  • Um procedimento cirúrgico adicional pode ser necessário.

HérniaHérnia

  • Uma protuberância em volta do estoma pode ser uma hérnia verdadeira, deslizante ou “falsa”
  • Hérnia verdadeira - uma alça do intestino se desloca através de um orifício na parede abdominal
  • Hérnia deslizante - um segmento do intestino usado para criar o estoma cria uma alça no tecido adiposo subcutâneo.
  • Hérnia “falsa” - o aumento da pressão abdominal produz uma protuberância na lateral do corpo devido a uma parede abdominal enfraquecida - essa é a causa mais comum.

Prolapso de estomaProlapso de estoma

  • A seção do intestino usada para criar a colostomia é quase virada do avesso e empurrada para fora

  • Ela pode ser tratada empurrando-se suavemente o segmento prolapsado de volta para o abdome
  • Caso houver edema, use gelo para reduzir o fluxo de sangue e açúcar para reduzir o edema
  • Pode ser necessária correção cirúrgica

EstenoseEstenose

  • O estoma fica edematoso, reluzente e com forma de cogumelo
  • As fezes são expelida como uma tira fina. O bloqueio é decorrente da presença de tecido apertado em volta do estoma
  • Pode ser tratado com dilatação do intestino
  • Se estiver no nível da pele, pode ser necessária cirurgia local

GranulomasGranulomas

  • Os granulomas na mucosa são observados na transição entre o estoma e a pele
  • As causas incluem irritação química ou mecânica
  • Podem ser tratados cobrindo-se as áreas em relevo com nitrato de prata
  • Diatermia (aquecimento elétrico)
  • Tratamento a laser
Fechar
Visualizar Versão para Desktop